Audiência de conciliação entre Prefeitura de Cassilândia e empresa proprietária do frigorífico da cidade termina sem acordo

Na tarde desta quarta-feira, 13, foi realizada audiência de conciliação entre a Prefeitura de Cassilândia e a Forte/Rodopa, empresa proprietária da planta frigorífica do município, para tratar do processo de desapropriação da área. Não houve acordo e o processo vai continuar.

“Em demonstração de comprometimento com a população de Cassilândia e região, o grupo Forte/Rodopa vem a público informar que durante a audiência de conciliação com a Prefeitura de Cassilândia, o Executivo Municipal continuou insistindo na desapropriação da planta frigorífica. A Forte/Rodopa considera o processo ilegal, sem embasamento jurídico e lamenta pela comunidade, uma vez que irá recorrer a todos os meios legais possíveis para garantir seu direito à propriedade e com isso, infelizmente, a data de reabertura do frigorífico será adiada cada vez mais, prejudicando a todos”, destacou nota da empresa após o fim da audiência.

Sobre o caso

A Prefeitura de Cassilândia entrou com processo de desapropriação alegando que a área é de utilidade pública e interesse social e que não houve interesse da proprietária da planta frigorífica em reabrir o local e que o mesmo estava abandonado, apesar de o frigorífico ter operado ininterruptamente nos últimos dez anos e estar fechado há apenas dois meses por decisão do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

O Executivo Municipal conseguiu uma liminar para reintegração de posse do imóvel, mas a desembargadora Tânia Borges concedeu efeito suspensivo no dia 21 de maio e devolveu a posse à Rodopa.

A planta frigorífica estava locada na época para a JBS e desde que as atividades foram paralisadas pelo Cade, a Forte/Rodopa estava negociando com outros grupos empresariais para locar novamente o imóvel e assim, retomar as atividades frigoríficas o mais rápido possível. No entanto, as tratativas para relocação do frigorífico interrompidas após o processo movido pela Prefeitura.

“O que eu procuro é justiça. A Prefeitura entrou com um processo ilegal. Nunca fui procurado pelo prefeito de Cassilândia (Jair Boni) ou qualquer representante para falar sobre o frigorífico ou qualquer assunto, meu endereço é público, a Prefeitura tinha conhecimento do endereço atualizado da Rodopa através das certidões anexadas por eles ao processo e mesmo assim mandaram para um endereço inexistente, tudo parte de manobras para que eu não tivesse conhecimento da existência desta ação”, afirma Sérgio Longo, proprietário da Rodopa/Forte.

Sérgio Longo destaca que foi uma surpresa quando leu na imprensa que não teria interesse em reabrir o frigorífico. “Desde a decisão do Cade, estava negociando com vários grupos empresariais a locação do prédio e retomada das atividades do frigorífico o mais rápido possível, porque além de ser do interesse da Rodopa reabrir, é importante para a cidade de Cassilândia e é o trabalho de mais de 600 pessoas e suas famílias que está em jogo, que dependem de sua fonte de renda. Mas após esta decisão arbitrária da Prefeitura de querer o prédio para si, as negociações foram prejudicadas”, completa o empresário.

O imóvel e as instalações onde funcionava o frigorífico são de propriedade da Rodopa/Forte, e ao longo dos anos recebeu milhões em investimentos (benfeitorias e equipamentos de última geração). Em 2014, a ECunha Consultoria Empresarial avaliou o imóvel em R$ 40,9 milhões, valor muito distante dos R$ 320 mil que a Prefeitura se disponibilizou a pagar em uma possível desapropriação.

“O caminho escolhido pela Prefeitura, sem diálogo, só prejudicará a retomada das atividades e consequentemente, os trabalhadores, a população de Cassilândia e todos que dependem do funcionamento da planta frigorífica, porque esbarra em diversas questões processuais. A exemplo do que aconteceu em Santa Fé do Sul e Cachoeira Alta, a união entre a Forte/Rodopa e Prefeituras locais resultou na solução do impasse: em Santa Fé do Sul, um contrato de locação foi assinado no último dia 25 de maio e, em breve, os empregos serão retomados, bem como as atividades da unidade produtiva. Em Cachoeira Alta, por sua vez, após o encerramento do contrato de locação com a JBS, a Rodopa negociou com grupo econômico consolidado e idôneo, que, há quase um ano, opera na cidade, assegurando o emprego da população”, concluiu Sérgio Longo, reafirmando seu desejo de retomar as atividades do frigorífico em Cassilândia através da locação a uma empresa com capacidade técnica e operacional.

Assessoria

loading...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here