Fundador do WikiLeaks, Julian Assange é preso em Londres

fundador do WikiLeaks, Julian Assange, que estava refugiado desde 2012 na embaixada do Equador em Londres, foi preso nesta quinta-feira (11) pela polícia britânica. Mais cedo, o presidente equatoriano, Lenín Moreno, suspendeu o asilo diplomático que havia sido concedido ao ativista australiano, de 47 anos.

Segundo a Scotland Yard, a polícia foi convidada pelo embaixador do Equador para ir ao local. Conforme nota oficial, Assange foi levado para uma delegacia do centro de Londres, onde permanecerá até audiência com um juiz “o mais rápido possível”.

Imagens exibidas por canais de televisão locais mostraram agentes britânicos retirando Assange, com uma longa barba branca, do edifício da representação equatoriana (veja abaixo).

O criador do WikiLeaks, site que divulgou milhares de documentos secretos dos Estados Unidos, entrou na embaixada para escapar da extradição para a Suécia, onde a Justiça queria interrogá-lo como suspeito de ter cometido crimes sexuais, os quais são negados por ele. Este processo foi arquivado.

Em dezembro, o jornal New York Times revelou que o governo equatoriano manteve negociações com autoridades norte-americanas sobre a expulsão de Assange em troca do alívio de dívidas.

Disputa no Equador

plataforma de difusão de documentos secretos WikiLeaks, que alertou há vários dias que o presidente equatoriano estava disposto a retirar de Assange a proteção diplomáticaconcedida há quase sete anos por seu antecessor, Rafael Correa, denunciou imediatamente a decisão de Quito como “ilegal” e “em violação ao direito internacional”.

“Lenín Moreno, nefasto presidente do Equador, demonstrou sua miséria humana ao mundo, entregando Julian Assange – não apenas asilado, mas também cidadão equatoriano – à polícia britânica”, tuitou Correa, que agora vive asilado na Bélgica. “Isto coloca em risco a vida de Assange e humilha o Equador. Dia de luto mundial”, completou.

Na última terça-feira (2), o Lenín Moreno acusou Assange de “violar repetidamente” as regras de concessão de asilo.

— Não é que ele (Assange) não possa se expressar livremente, mas ele não pode mentir, muito menos hackear contas ou interceptar ligações telefônicas privadas — declarou Moreno à imprensa equatoriana.

gauchazh.clicrbs.com.br

 

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here